Buscas

Pesquisa personalizada

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

OBJETOS DE IMAGINAÇÃO


     Para Husserl, citado por Julián Marías, existe três sentidos para consciência: ... “

a) O conjunto de todas as vivencias, ou seja a unidade da consciência;

b) O sentido que se expressa ao dizer ter consciência de uma coisa, o dar-se conta: se vejo uma coisa, ver é um ato da minha consciência (no primeiro sentido), mas se me dou conta do ver, tenho consciência (no segundo sentido) de tê-la visto.

c) O sentido da consciência como vivencia intencional.” (História da Filosofia, pág. 42).

        É com este sentido de vivência intencional, que aponta para o objeto, Husserl afirmará que mesmo os objetos de imaginação trazem consigo objetos fenomenais.  Ou seja, os objetos da imaginação, (não tem importância se não existam de fato), na qualidade de objeto intencional tem vida fenomenológica, como “não-objeto-real, constituída pela consciência uma vez que é a percepção como tal que possibilita compreender o objeto como existente.

Bibliografia:

MARÍAS, Julián. História da Filosofia. Ed. Martins Fontes. São Paulo-SP. 2004.    

POESIA : REFLEXÕES EM VERSO.

 

Astênio Evangelista de Oliveira
 
 
O dia é composto de horas, de minutos;
Os segundos compõem a eternidade.
Cada ato determina o futuro,
Projetando sua sombra ou claridade.

Veja o que fazes do seu tempo;
O tempo deve gerar sabedoria;
Se o gastas em meros passatempos;
Não reclames da colheita de agonia.

Não te preocupes tanto, em demasia;
Com o futuro que te espera, lá na frente.
Atue agora, sendo fonte de alegria,
E sorrirás, dando exemplo a muita gente.

A vida não exige tanto dos viventes;
Apenas espera que cada um,
Realize, responsável, a sua parte,
Pois sem trabalho, não se vai a lugar algum.

Agradeço a você, amigo Astênio,  sua participação no meu Blog.

ARTE: PINTURA.

                                                     COLONAS - DI CAVALCANTI

domingo, 10 de novembro de 2013

COMO SERÁ O AMANHÃ?



          Suely Monteiro

         O Mundo caminha a passos largos para o futuro. Ninguém pode deter o progresso e a despeito de muitas previsões de final do mundo de maneira trágica, como por exemplo com guerras nucleares e/ou biológica antes mesmo do ano de 2020, as previsões cientificas seguem, também, projetando um futuro com grande consumo energético por parte da população que continuará crescendo desrespeitando o uso das pílulas e dos muitos países com leis favoráveis ao aborto.

           Espera-se que em 2020 a população mundial esteja se aproximando da casa dos 8 bilhões de habitantes o que requererá mais habitação, transporte e energia. O aumento da população gera necessidade de aumento de transporte, de moradia, de mudanças na direção da condução das questões da imigração, gera aumento dos crimes internacionais e interdependência financeira entre países e nações. Uma outra questão muito grave é a da auto sustentação em relação à agua e à energia elétrica. 

          A economia movida a queima de produtos, como carvão, gás e petróleo que hoje prepondera, em 2020 estará à beira de ser sepultada, pois uma nova perspectiva se faz anunciar com o desenvolvimento de tecnologias capazes de retirar energia do vento, da terra e do sol e espera-se que até lá esteja muito mais desenvolvida e em utilização progressiva. A grande dificuldade que os países enfrentam para a substituição é econômica. A Alemanha está investindo muito dinheiro em energia eólica marítima, mas ainda assim, está longe de conseguir sua auto sustentação energética.

          Segundo nos informa Lesner Brown em seu artigo: “A Economia Mundial de Energia em 2020,

 

 “... o desenvolvimento de 5,3 mil megawatts de capacidade de geração de energias não-renováveis no mundo até 2020 – mais da metade decorrente do vento – seria mais que suficiente para substituir todo o carvão e petróleo e 70% do gás natural utilizado para gerar eletricidade. A adição de cerca de 1,5 mil giga watts de capacidade de aquecimento térmico até 2020, quase dois terços em virtude de aquecedores solares de telhado, diminuirá em muito o uso de petróleo e de gás para aquecimento de prédios e de água.

Ao olhar as grandes mudanças de 2008 para a economia energética do Plano B de 2020, a eletricidade gerada por combustíveis fósseis cai mais de 90% no mundo todo. Isto é mais que compensado pelo crescimento em cinco vezes da eletricidade gerada de forma renovável. No setor de transportes, a energia vinda de fósseis recua em torno de 70%”.

 

              A substituição, segundo Brown, será gradual iniciando-se com a substituição dos carros e trens movidos a gasolina por híbridos movidos, quase que totalmente por eletricidade. As casas, também terão iluminação, refrigeração e aquecimento efetuados por eletricidade renovável sem carbono.

 

          Mudanças maiores ocorrerão, naturalmente, por volta do ano de 2050 quando o mundo acobertará uma população de 9,731 bilhões de habitantes  segundo um estudo bienal do Instituto francês de Estudos Demográficos (INED) republicado no jornal online Novo Hamburgo em 24 de outubro de 2013.

De acordo com o jornal referenciado, o pais que mais concentrará população em 2050, será a África com 2,435 bilhões de habitantes, o que representa quase o dobro da população atual. Ainda de acordo com o estudo publicado pelo INED,

“... a Europa Continental será a única a registrar uma queda da população que passará de 740 milhões de habitantes em 2013, para 726 milhões em 2050. A América vai superar 1 bilhão de habitantes em 1050; a Ásia dará um saldo de 4,305 bilhões de habitantes em 2013 para 5.284 em 2050; e a Oceania vai progredir de 38 para 58 milhões prevê o Instituto.

Atualmente, o "G7", grupo dos países populosos do planeta, é composto por China (1,360 bilhão de pessoas), Índia (1,276 bilhão), Estados Unidos (316,2 milhões), Indonésia (248,5 milhões), Brasil (201 milhões), Paquistão (190,7 milhões) e Nigéria (174,9 milhões).Em 2050, a classificação dos países mais populosos deverá ser bastante diferente, com a Índia à frente (1,650 bilhão) seguida de China (1,314 bilhão) e Nigéria que, com 444 milhões de habitantes, vai superar os Estados Unidos (400 milhões)” .  (Jornal online Novo Hamburgo, em24/10/13).

 

          A Organização das Nações Unidas – ONU -  conforme artigo: “População Mundial chegará a 9,6 Bilhões de Pessoas em 2050”, publicado no Jornal online Cenário MT, descreve três possíveis cenários populacional até 2050, ou seja, crescer medianamente e chegar a 9.306.128 habitantes, ir além e alcançar a marca de 10.614.318 ou, ainda poderá haver um decréscimo o que baixaria a expectativa para 8.112.191 habitantes.

        Espera-se uma redução da taxa de mortalidade infantil e de velhos e que a população de idosos acima de 65 anos ainda estará ativa e competindo no mercado de trabalho com a população jovem.

       Estima-se que haverá um crescimento da média de vida com boa qualidade, para 82 anos, graças aos avanços da ciência e da tecnologia, como a medicina preventiva, transplantes, uso de células troncos, nanotecnologia e alimentação balanceada, produzida e armazenada segundo técnicas seguras.

         Os estudos mostram, ainda, que a economia mundial crescente e o aumento da renda da população demandará maiores consumos de bens e de transporte, exigindo o aumento de indústria com altas tecnologias e grande consumo de energia, mas a principal fonte será de energia limpa, e para tanto espera-se:

 “1. Implementar soluções renováveis, especialmente através de sistemas de energia descentralizados 2. Respeitar os limites naturais do meio ambiente 3. Eliminar gradualmente fontes de energia sujas e não sustentáveis 4. Promover a Equidade na utilização dos recursos 5. Desvincular o crescimento econômico do consumo de combustíveis fósseis. 

 

         Como os estudos acima nos mostram, a energia renovável que ainda, nos próximos trinta anos, não estará entre as primeiras opções de utilização, em função do alto custo para a sua obtenção, será elevada à categoria de preferencial em 2050, e com o uso racional, contribuirá para o bem do ecossistema. Isto acontecerá em função da redução em 50% do nível de CO2, em relação aos níveis de 1990.

 

CONCLUSÃO

 

        Ao deixar para traz as fontes energéticas destruidoras da camada de ozônio e, passando operar com energia limpa, cria-se a boa expectativa de  que os comportamentos sociais sejam diferenciados nestes quase dez bilhões de novos habitantes do planeta terra, que, enterrando junto com os dejetos energéticos do passado, o orgulho e a vaidade pessoal e das nações, faça surgir  um novo um mundo mais harmônico, com menos violência, mais aceitação das diferenças que continuarão a existir; que sejam aniquilados os preconceitos de raça, sexo, social e cultural; que surja uma medicina preventiva e rica em procedimentos reduzidores de sofrimentos e incapacitações físicas, mentais e psicológicas; que os avanços da tecnologia favoreçam as comunicações virtuais, mas que voltem a prevalecer os contatos pessoais e o amor frutifique nos corações.

          Sou bastante otimista quanto ao futuro e, como sou reencarnacionista, desejo ao voltar, encontrar um mundo bem melhor do que o atual. Pelo menos, estou trabalhando para que Assim seja.

      

OBRA DE ARTE

OBRA DE ARTE
Amores na bela Capital Catarinense.

CINEMA: UM GRANDE PRAZER.

Loading...